Como Lidar com o Luto

lutoA perda de um ente querido é sempre devastadora, incurável. Mas isso não significa que não existam maneiras de lidar com o luto de um jeito mais saudável. É importante manter-se em pé mesmo quando parece que estamos sem chão.

E assim como a morte não tem cura, a verdade é que o luto também não é uma doença ou mal que possa ser medicado. Este sentimento único precisa ser trabalhado para que se torne menos doloroso. Lembrando sempre que a dor passa, mas a saudade vai permanecer e não há nada de mal nisso. É até importante sentir falta dessa pessoa e seguir em frente mesmo assim.

Se você está vivendo um período de luto, entenda como lidar melhor com esse momento tão difícil:

  • Tempo: o seu luto pode ter durado uma semana, mas isso não significa que outra pessoa também vá superar essa fase também nesse período de tempo. Caso você sinta que está demorando demais a conseguir respirar por trás do peso da tristeza, não hesite em procurar ajuda especializada. Mas também não se preocupe em ficar bem rápido demais. Você tem direito à tristeza.

  • Pressão: a pior coisa que se pode dizer a uma pessoa enlutada é que ela precisa superar. Você não sabe, você não está na pele dela. Evite pressionar uma pessoa a ficar do jeito que você espera. Seu dever é dar apoio incondicional e só falar quando for perguntado. Não se meta no luto alheio. Caso ache que a situação está além do normal, sugira ajuda de um profissional, ou converse você mesmo com um, para saber como ser útil.

  • Sintomas: muita gente chora descontroladamente, outras pessoas guardam as lágrimas, e tudo bem. Os sintomas do luto são muito particulares, podem surgir como insônia, agressividade, pouca fome, etc. Não entre em confronto com alguém que vive esta fase, mas também não deixe de oferecer comida, perguntar como está. Fique à disposição.

  • Remédios: embora o controle através de medicamento seja a última opção, é importante deixar claro que os remédios são, sim, interessantes para quem não consegue sair do período de tristeza. Evitar que o luto se transforme em depressão é essencial. Esteja atento para perceber se a pessoa consegue viver breves momentos de alegria ou riso, ou se está fechado no seu sofrimento a ponto de não sair de casa.

  • Intensidade: em geral, a morte de um idoso é encarada com menos revolta do que a de uma criança ou jovem, pois se trata de um ciclo natural. Por isso, o luto de quem perdeu um avô pode ser menos intenso do que o da perda de um filho.  Cada situação precisa ser analisada levando em consideração o contexto.

Para encerrar, saiba que o luto é uma passagem essencial na vida de quem perdeu alguém. É quando se reaprende a viver sem um ente querido e este período varia de pessoa pra pessoa, sendo tão particular como qualquer outro sentimento.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *