Unha Descamando é Normal?

A gente sempre pensa nas unhas como parte do processo de beleza, mas não é apenas isso. A unha descamando, por exemplo, pode ser um sinal de que sua saúde pode não estar tão bem quanto você imagina.

Mas, calma, não precisa correr para o primeiro médico que aparecer. O descamamento da unha pode acontecer por diferentes razões. E é importante que você fique atenta à sua rotina para descobrir o que pode estar acontecendo com você.

Unhas Descascando

Você está se alimentando bem? Não decidiu começar uma dieta maluca em que você quase não come? Pois é, pode ser que sua alimentação seja o motivo das suas unhas estarem descascando. É possível que seja um sinal de falta de vitaminas.

Entenda o que mais pode estar acontecendo com suas unhas:

  • Saúde: além da dieta errada, as unhas descamando podem indicar outras doenças como psoríase, hipotireoidismo, problemas renais e hepáticos, entre outros. Se o problema foi insistente, consulte um dermatologista e ele lhe dará o encaminhamento correto.

  • Micose e Alergia: na maioria dos casos, é possível que seu problema esteja em algo mais simples, como uma alergia ou micose. Nesse caso, uma pomada pode ser suficiente para corrigir o problema.

  • Produtos: por mais que a gente queira testar todas as novidades, nem tudo faz bem para nossas unhas. Alguns removedores e acetonas são péssimas para a saúde das unhas, então não se deixe levar pelo preço e procure produtos de qualidade.

  • Unhas Postiças: temos procedimentos cada vez mais modernos para alongar as unhas, então chegou a hora de abandonar de vez as postiças. Elas impedem a respiração adequada do local e podem causar o descamamento, já que deixam as unhas mais fracas.

Para encerrar, vale dizer que você precisa dar um tempo para suas unhas de vez em quando. Tudo bem que é difícil deixar sem esmalte, bem básicas, mas é importante para você. Escolha um dia da semana para deixá-las ao natural e permitir que respirem adequadamente.

Você é Hipocondríaco?

Com a internet, basta uma dorzinha e a gente já sabe tudo sobre a doença que temos, ou não. E essa facilidade acabou fazendo com que a gente se automedique cada vez mais. Mas, será que você já ultrapassou os limites e se tornou um hipocondríaco, aquela pessoa que toma remédio pra tudo?

Na verdade, a hipocondria vai além do exagero, é uma obsessão. Quando uma pessoa começa a se medicar por achar que está doente, mesmo sem comprovação, é um sinal de que algo está errado.

Entenda melhor se você pode ser um hipocondríaco segundo esse guia desenvolvido pela saúde britânica:

Você se preocupou em ter uma doença grave por causa de sintomas que duraram muito tempo?

Prestar atenção demais em algum sintoma pode fazer com que ele se torne mais presente do que parece. Fique atento ao que é real.

Essa preocupação exagerada te deixou angustiado?

Sabe quando você se preocupa com alguma coisa que nem era um problema tão grande assim? Ter esse tipo de pensamento infundado pode ser um indício de obsessão.

Essa preocupação atrapalhou outros aspectos da sua vida?

Quando a preocupação com a saúde ultrapassa limites, algo está errado. Tudo bem faltar ao trabalho um dia para tratar de sua saúde. No entanto, quando essas faltas excedem o bom senso, talvez você precise de ajuda. O mesmo vale para outras áreas de sua vida.

Você está sempre se examinando e diagnosticando?

Existem casos de hipocondria em que a pessoa confere sua temperatura de hora em hora. Isso não é normal. Você pode consultar mensalmente se tiver alguma condição a acompanhar, mas sua saúde não pode ser uma obsessão.

Você acredita no seu médico?

É super comum um hipocondríaco duvidar do profissional que não concorda com seu autodiagnóstico. Você pode e deve procurar segundas opiniões, mas em algum momento você precisa acreditar no que estão te dizendo.

Para encerrar, vale dizer que você precisa pedir ajuda sempre que sentir que está excedendo algum limite. E, principalmente, tome cuidado ao se automedicar. Evite tomar qualquer remédio sem receita.

5 Sinais de Anorexia

Convidada para um novo trabalho no cinema, a atriz Débora Nascimento terá que emagrecer 15kg em poucas semanas. E isso a fez acender o sinal vermelho, já que teve um passado com tendência a anorexia. Você já ouviu falar nessa doença?

A nossa preocupação com a imagem tem crescido cada vez mais e muitas pessoas acabam excedendo os limites da normalidade para conseguir um visual que muitas vezes é irreal. A anorexia é um distúrbio alimentar que faz com que a pessoa pare de comer para emagrecer. A obsessão em perder peso toma conta, impedindo o indivíduo de enxergar-se no espelho.

Bastante grave, a anorexia exige um tratamento multidisciplinar, e é importante ficar atento a qualquer sinal de seu aparecimento.

Confira 5 sinais comuns de que a pessoa pode sofrer com essa doença:
  • Espelho: se você olha no espelho e mesmo que a balança esteja dizendo o contrário, ainda sente necessidade de emagrecer, é importante ter atenção ao que pode estar acontecendo. Não hesite em procurar um médico ou nutricionista para saber como anda seu corpo e sua mente.

  • Não Comer: esse é o ponto principal. Geralmente quem desenvolve anorexia deixa de comer aos poucos. Começa se preocupando demais com as calorias e deixa o medo de engordar tomar conta, parando de ingerir alimentos por completo.

  • Comportamento: se seu filho ou familiar não quer mais companhia durante as refeições, pode ser interessante começar a observar como anda sua alimentação. É possível que seu comportamento já esteja alterado em relação à comida e ele não quer que você perceba.

  • Emagrecer Rápido Demais: fazer uma dieta restritiva por alguns dias é comum, mas estender isso por semanas e perder peso excessivamente é sempre preocupante. Especialmente se a pessoa sempre disser que está sem fome e se recusar a comer. Além do peso, o corpo perde nutrientes essenciais para sua manutenção.

  • Vomitar: outro sinal que geralmente estabelece o aparecimento da anorexia é o hábito de vomitar após as refeições, para tentar eliminar a ingestão de calorias. Neste momento, podem surgir doenças de estômago e até problemas dentários.

Se você acha que você ou alguém próximo possa estar com anorexia, procure ajuda. É essencial ter acompanhamento nutricional e psicológico para conseguir superar esse distúrbio.

Remédio Caseiro Para Dor de Garganta

Não adianta, o frio começa a ganhar força e também as doenças de inverno. E não tem nada pior do que uma gripe acompanhada de uma dor de garganta, não é?

O ideal é sempre procurar um médico de confiança assim que a doença aparece. Com os remédios certos, é possível melhorar em cerca de uma semana. O problema é que nem sempre a gente consegue ficar com essa dor até passar. E é aí que os remédios caseiros podem ajudar bastante.

Veja a seguir 5 exemplos do que você pode fazer em casa para melhorar a dor de garganta:

  • Gargarejo com Bicarbonato: nenhum pó caseiro é mais milagroso do que o bicarbonato de sódio. Muito útil para limpeza e desinfecção, pode ser usado para fazer gargarejo misturado com água morna. Vai ajudar muito a limpar a garganta e amenizar a dor.

  • Chá de Hortelã com Mel: um bom chá sempre ajuda em qualquer situação e ajuda muito nas dores e desconfortos da garganta também. Beber chá ao longo do dia será muito útil.

  • Gengibre: se você tiver um pouquinho de tempo, pode preparar um chá de gengibre e beber sempre que puder. Mas se não, basta mastigar um pedacinho da raiz sempre que tiver sentindo desconforto. Vai dar uma sensação de limpeza no local.

  • Banana: sabe aqueles momentos em que mais fica difícil se alimentar? a banana pode ser uma boa opção. Por ter uma textura macia, não vai machucar ao engolir e ainda acalma um pouco a garganta.

  • Vinagre de Maçã: com uma função antibacteriana, o vinagre de maçã contribui bastante para limpar a garganta e diminuir a dor. Pode ser feito gargarejo ou consumir com canela e mel, para mais efeitos ainda.

Vale reforçar que estas dicas servem como aliadas do processo de tratamento e cura da dor de garganta. Se possível, evite ficar apenas nos remédios caseiros, principalmente se sentir que está piorando ao invés de melhorar.

Cabelo Caindo, o Que Fazer?

Toda pessoa de cabelos compridos sabe bem como fica o ralo do banheiro depois de alguns dias se não limpar. Sentir os cabelos caindo pode ser super normal, mas desde que seja uma quantidade pequena. Se chamar atenção, é porque algo está errado.

Antes de qualquer coisa, é importante entender que a queda é parte do ciclo do cabelo. São cerca de 3 a 5 anos de crescimento, algumas semanas sem crescer, e então um período de queda natural. O que você precisa ficar atento é se esse fio que caiu está com a pontinha branca. Caso a resposta seja sim, é sinal de que o cabelo caiu antes desse ciclo, o que não é normal.

Confira o que pode te ajudar quando o cabelo estiver caindo muito:

  • Higiene: muita gente acha que é preciso lavar os cabelos todos os dias e isso não é verdade. O ideal é que os fios sejam lavados quando estiverem sujos, o que varia de pessoa para pessoa. Lavar demais pode deixar fragilizado, aumentando a queda, e lavar de menos pode causar o aparecimento de fungos, por exemplo. A temperatura da água também é determinante.

  • Quebra: é importante ficar atento para o que é queda e o que é quebra. Um cabelo muito maltratado costuma quebrar mais facilmente. Nesse caso, hidratação e cuidados para recuperar os fios é o mais indicado.

  • Desembaraçar: o ato de passar o pente nos cabelos molhados pode facilitar a queda. Portanto, pode ser mais interessante apostar num bom creme desembaraçante e deixar para pentear apenas depois de secos.

  • Estresse: nosso corpo é maravilhoso e dá sinais de quando algo está errado. A queda de cabelos pode ser um sintoma de excesso de estresse. É importante avaliar as situações a seu redor para tentar descobrir se é preciso fazer uma prevenção ou um tratamento mais intenso.

  • Dieta: uma alimentação equivocada, com carência de proteínas ou outras vitaminas, pode causar a queda de cabelos. Manter uma dieta equilibrada pode fazer toda diferença.

Para encerrar, vale dizer que se seu cabelo está caindo muito, você deve procurar um dermatologista. Os shampoos anti-queda podem amenizar um pouco o problema, mas reduzem muito pouco a queda.