Unha Descamando é Normal?

A gente sempre pensa nas unhas como parte do processo de beleza, mas não é apenas isso. A unha descamando, por exemplo, pode ser um sinal de que sua saúde pode não estar tão bem quanto você imagina.

Mas, calma, não precisa correr para o primeiro médico que aparecer. O descamamento da unha pode acontecer por diferentes razões. E é importante que você fique atenta à sua rotina para descobrir o que pode estar acontecendo com você.

Unhas Descascando

Você está se alimentando bem? Não decidiu começar uma dieta maluca em que você quase não come? Pois é, pode ser que sua alimentação seja o motivo das suas unhas estarem descascando. É possível que seja um sinal de falta de vitaminas.

Entenda o que mais pode estar acontecendo com suas unhas:

  • Saúde: além da dieta errada, as unhas descamando podem indicar outras doenças como psoríase, hipotireoidismo, problemas renais e hepáticos, entre outros. Se o problema foi insistente, consulte um dermatologista e ele lhe dará o encaminhamento correto.

  • Micose e Alergia: na maioria dos casos, é possível que seu problema esteja em algo mais simples, como uma alergia ou micose. Nesse caso, uma pomada pode ser suficiente para corrigir o problema.

  • Produtos: por mais que a gente queira testar todas as novidades, nem tudo faz bem para nossas unhas. Alguns removedores e acetonas são péssimas para a saúde das unhas, então não se deixe levar pelo preço e procure produtos de qualidade.

  • Unhas Postiças: temos procedimentos cada vez mais modernos para alongar as unhas, então chegou a hora de abandonar de vez as postiças. Elas impedem a respiração adequada do local e podem causar o descamamento, já que deixam as unhas mais fracas.

Para encerrar, vale dizer que você precisa dar um tempo para suas unhas de vez em quando. Tudo bem que é difícil deixar sem esmalte, bem básicas, mas é importante para você. Escolha um dia da semana para deixá-las ao natural e permitir que respirem adequadamente.

Como Desfazer Amizades e Se Livrar de Pessoas Tóxicas (Parte 2)

Pense nas suas amizades mais próximas, você se sente absolutamente confortável com essas pessoas? Ou sente que, talvez, essa pessoa não te faça bem? Pode ser que você esteja em um relacionamento tóxico sem perceber.

No começo da semana, começamos a falar um pouco sobre o assunto. Às vezes, a gente não se dá conta de que está se desgastando demais por alguém que não vale o esforço. E não se trata apenas de relações amorosas, mas de amigos mesmo.

Entenda melhor como identificar as pessoas tóxicas ao seu redor:

  • Pior: uma fofoquinha aqui e ali é comum, mas você tem alguém que te leva a ser sua pior versão? Algumas pessoas conseguem fazer com que outras sejam mais maldosas do que gostariam. Essas amizades podem acabar te afastando de outras. Não tenha medo de se afastar e ficar atento a como esse ‘amigo’ reage quando você não entra no jogo dele.

  • Esforço: quando você sente que tem que ficar constantemente impressionando alguém, algo está errado. É normal querer um pouquinho de aprovação e elogio de vez em quando, mas essa não pode ser a regra. Se você nunca se sente completo em um círculo de amizade, é provável que não seja o círculo correto para você. Pare de se sentir inseguro e dê uma nova chance para pessoas que você acha que podem ser melhores para você.

  • Necessidades: ter alguém para contar é uma via de mão dupla. Você pode ser o porto seguro de alguém desde que essa pessoa também esteja lá para você. Aprenda a dizer não se sentir que não tem essa reciprocidade. E se isso não adiantar, lembre-se que a prioridade é você e não quem não te apoia.

Vale dizer também que pode parecer que não, mas você pode viver sem esse amigo de longa data, sim. Entenda que às vezes  o que era bom há 15 anos pode não ser mais. Considere um ciclo que está se fechando, uma nova oportunidade surgindo.

E, principalmente, lembre que a melhor amizade que pode ter é consigo mesmo. Adianta nada agradar outra pessoa e se sentir mal o tempo todo.

Como Desfazer Amizades e Se Livrar de Pessoas Tóxicas (Parte 1)

Quando a gente fala em amizade, existe toda uma romantização sobre as pessoas que estão sempre por perto. No entanto, nem sempre quem você considera amigo é alguém que te faz bem. Pode ser que você esteja se esforçando por quem não vale a pena.

Em geral, estas pessoas são chamadas de tóxicas. Você convive e sofre as consequências por essa convivência frequentemente. Entretanto, nem sempre se dá conta do quanto isso não te acrescenta em nada.

Por isso, confira as dicas para perceber quem podem ser as pessoas tóxicas ao seu redor e como desfazer tais amizades:

  • Salvamento: sabe aquele amigo que sempre pede dinheiro e nunca paga? Ou que nunca sabe o que fazer sozinho? Então, essa ideia de que você precisa salvá-lo constantemente não pode continuar. Aprenda a dizer não para ver se ele permanece ou procura outra pessoa em quem se suportar.

  • Mentiras: não importa se seu amigo ou amiga nunca mentiu para você, a questão é: você já teve que mentir por ele/a? Quem te obriga a não ser honesto não te faz bem. Essa coisa de contar mentirinhas só funciona na adolescência, com adultos é sinal de que você precisa colocar um ponto final e se negar a mentir.

  • Mal Estar: existe uma lenda de que toda menina bonita sempre tem uma amiga feia, para se sentir ainda mais desejada. Se você sente algum tipo de sensação como essa, ou vive com um medo de algum conflito entre vocês, pare. Reavalie o quanto essa proximidade é verdadeira e o quanto você quer continuar nessa situação.

Como este é um assunto extenso, voltaremos a falar sobre o tema na próxima sexta-feira, 18 de agosto.

Enquanto isso, pode ser interessante começar a analisar como andam suas amizades. Você tem alguma pessoa que te incomoda mais do que conforta quando estão por perto? Sente que está mantendo um relacionamento mais por obrigação ou hábito do que qualquer outra coisa?

Vale dizer também que você deve avaliar também sua relação com familiares. Infelizmente, parentes também podem ser tóxicos.

Pode Usar Cera Quente No Rosto?

A moda agora permite que as sobrancelhas sejam mais grossas do que alguns anos atrás, mas isso não significa que o formato natural não precise de uma forcinha. E é quando surge a dúvida, dá pra usar cera quente no rosto e tirar os pêlos indesejados ou não?

Há algum tempo, acreditava-se que o uso regular de cera quente poderia causar flacidez. No entanto, aos poucos, isso tem se provado um mito. A verdade é que, principalmente sem cuidados, a flacidez vai acontecer ao longo dos anos. Tudo depende de como você trata sua pele.

Entenda melhor como usar a cera quente com segurança no seu rosto:

  • Temperatura: mais do que o futuro, é essencial se preocupar com o agora. Ao invés de ficar especulando os efeitos da cera na sua pele a longo prazo, é importante que você priorize a temperatura adequada na hora de aplicar em seu rosto. É essencial que o calor não seja incômodo para a pele e nem que esteja muito fria.

  • Manchas: existe a chance de a pele depilada com cera quente ficar mais escura? Existe. Porém, isso acontece geralmente com quem faz uso de algum tipo de ácido na pele do rosto. Por isso, é necessário conversar com o profissional responsável pela aplicação para definir o que é melhor para você.

  • Flacidez: uma boa depiladora sempre vai lembrar de tensionar sua pele na hora da puxada da cera. Isso vai fazer uma grande diferença para que a flacidez não seja afetada. Mas mesmo que você não tenha feito isso sempre, é interessante lembrar que você depila cada região a cada 15 ou 20 dias. Ou seja, não é um esforço que sua pele não possa aguentar.

  • Alergia: nem todo mundo consegue utilizar o mesmo tipo de cera. É comum quem sofra com bolinhas de alergia depois da depilação, principalmente. Avalie com cuidado os efeitos e procure um dermatologista se o problema for frequente. Pode ser que uma pomada pós depilação ajude.

  • Alternativas: como a pinça pode ser um pouco cruel, uma boa alternativa para a cera é a depilação com fio. A dor ou desconforto são inevitáveis, contudo, se trata de um método igualmente rápido e eficiente.

Claro que, vale dizer, o ideal é que você tenha um bom profissional na hora de depilar o rosto com era. No caso do buço, você pode até fazer em casa sem problemas, mas em se tratando de sobrancelha, talvez valha a pena investir e pagar pelo serviço. A segurança da sua pele deve ficar em primeiro lugar.

Você é Hipocondríaco?

Com a internet, basta uma dorzinha e a gente já sabe tudo sobre a doença que temos, ou não. E essa facilidade acabou fazendo com que a gente se automedique cada vez mais. Mas, será que você já ultrapassou os limites e se tornou um hipocondríaco, aquela pessoa que toma remédio pra tudo?

Na verdade, a hipocondria vai além do exagero, é uma obsessão. Quando uma pessoa começa a se medicar por achar que está doente, mesmo sem comprovação, é um sinal de que algo está errado.

Entenda melhor se você pode ser um hipocondríaco segundo esse guia desenvolvido pela saúde britânica:

Você se preocupou em ter uma doença grave por causa de sintomas que duraram muito tempo?

Prestar atenção demais em algum sintoma pode fazer com que ele se torne mais presente do que parece. Fique atento ao que é real.

Essa preocupação exagerada te deixou angustiado?

Sabe quando você se preocupa com alguma coisa que nem era um problema tão grande assim? Ter esse tipo de pensamento infundado pode ser um indício de obsessão.

Essa preocupação atrapalhou outros aspectos da sua vida?

Quando a preocupação com a saúde ultrapassa limites, algo está errado. Tudo bem faltar ao trabalho um dia para tratar de sua saúde. No entanto, quando essas faltas excedem o bom senso, talvez você precise de ajuda. O mesmo vale para outras áreas de sua vida.

Você está sempre se examinando e diagnosticando?

Existem casos de hipocondria em que a pessoa confere sua temperatura de hora em hora. Isso não é normal. Você pode consultar mensalmente se tiver alguma condição a acompanhar, mas sua saúde não pode ser uma obsessão.

Você acredita no seu médico?

É super comum um hipocondríaco duvidar do profissional que não concorda com seu autodiagnóstico. Você pode e deve procurar segundas opiniões, mas em algum momento você precisa acreditar no que estão te dizendo.

Para encerrar, vale dizer que você precisa pedir ajuda sempre que sentir que está excedendo algum limite. E, principalmente, tome cuidado ao se automedicar. Evite tomar qualquer remédio sem receita.