Comer Placenta Traz Benefícios?

Se tem uma coisa que a família Kardashian sabe é lançar moda. Dessa vez, porém, nem todo mundo está de acordo com o que uma das irmãs quer fazer. Khloé Kardashian contou que pretende comer sua placenta após o nascimento de seu primeiro filho.

Há alguns meses, Bela Gil foi outra famosa que anunciou ter ingerido a ‘iguaria’, dando também para usa filha. Kim Kardashian concorda com a irmã e também comeu. Mas, será que existem mesmo benefícios na chamada Placentofagia?

Comer Placenta Faz Bem?

Antes de qualquer coisa, é preciso explicar que, ao contrário dos animais, que comem a placenta in natura, as mulheres costuma transformá-la para sua ingestão. Bela tomou na forma de vitamina, e Kim e Khloé preferem cápsulas. A ideia é aproveitar a riqueza nutricional do órgão, que possui hormônios, ferro e muitos outros nutrientes.

Não existe qualquer estudo científico que comprove isso, no entanto. Embora alguns mamíferos tenham o hábito de usar a placenta como alimento, não há registros de que o ser humano tenha feito ou precise dessa ingestão.

Riscos de Ingerir a Placenta

Uma placenta pode carregar consigo um grande número de vírus e doenças. Na prática, isso quer dizer que uma mulher que tenha hepatite, por exemplo, pode transmitir a doença para outra pessoa que a consuma.

Em geral, comer a placenta não faz mal para a mulher, porém, pode ser arriscado para outra pessoa. Por se tratar de uma moda ainda carente de estudos, talvez seja interessante procurar um serviço especializado que explique perfeitamente os riscos antes de decidir se vale a pena investir em algo tão controverso.

Cesárea ou Parto Normal?

Parto_NormalSeja você mãe ou pai, mulher ou homem, a verdade é que já ouviu esta discussão em algum lugar. Cesárea ou parto normal tem sido uma competição regular ao longo dos anos, tendo adeptas em ambas as opções.

O nascimento de uma criança sempre é um grande acontecimento, contudo, este momento virou motivo de grande polêmica nos últimos tempos, com defensores de opções mais naturais e de quem prefere não sentir dor. Mas, afinal, será que dá pra dizer que um é melhor do que o outro?

Veja os pontos positivos e negativos destes dois tipos de parto:

  • Dor: muito mais escolhida entre as pacientes do SUS, a cesárea tem como grande qualidade o fato de evitar a dor da mãe. Com anestesia, o nascimento é mais tranquilo, porém, isso não quer dizer que possam acontecer outras dores pós chegada do bebê. E, sim, também é possível tomar anestesia para o normal, diminuindo o desconforto.

  • Recuperação: eis o ponto forte do parto normal. Por não ter cortes e ser feito mais naturalmente, este parto permite que a mulher se recupere mais rapidamente, podendo sair andando do hospital, sem problemas.

  • Bebê: quando o parto é de risco, com algum problema para o bebê, a cesárea é a opção mais segura. É importante ter confiança no seu médico para definir a chegada do seu filho.

  • Decisão: não se deixar guiar pelo menos é essencial na hora de aumentar a família. Achar que o parto será muito doloroso não significa que você deve agarrar a cesárea a qualquer custo. Pense bastante sobre o que prefere e não escolha por medo.

  • Hora H: a obrigação de todos os médicos é apostar sempre no parto normal e fazer cesárea apenas quando for muito necessário. Não se deixe levar pelo nervosismo do dia do nascimento e mantenha a calma, pensando na melhor alternativa para você e mais ninguém.

Se você está grávida ou mesmo apenas pensando em ter um filho, leia muito sobre os tipos de parto e corra atrás do que acha melhor. Lembre-se que existe uma lei nacional que permite um acompanhante durante o parto e não faça tudo sozinha. Pedir ajuda pode facilitar sua escolha,